Um Clube com História

1968 – Começos…

A sério, a sério, o Clube começou mesmo no dia 20 de Janeiro de 1968, com uma excursão ao Planetário e ao Museu da Marinha.

Funcionava na cave de uma Residência Universitária, na Rua António Cândido, e as actividades eram já, nessa altura, variadas, com especial destaque para as excursões, a espeleologia com os seus cursos, e os enormes entusiasmos das electrónicas e fotografia.

Com o tempo foram sendo sonantes os nomes de Olelas – a primeira excursão a sério! -, a Quinta do Vale, a Arrábida; e a Assafora, a Gruta do Marco do Grilo, a Pedra de Alvidrar….

Em 1969 ficou famoso o Convívio Nómada; na Páscoa de 70 já havia “Sócios” do Clube em “Convívios Internacionais“, em Roma; o teatro era a actividade de sucesso, alegria de todas as festas e de tantas tertúlias com peças como “A Melga” e a “Inês Moribunda”…

1971 viu “vencer-se” finalmente a conhecida Assafora – a espeleologia atingia o seu “máximo”; em Dezembro já se ia no 3º Campeonato Inter-Liceus de futebol e aparecia a primeira “extensão” do Clube: o Albacar, no Alentejo.

Campeonatos de estudo – os “24 dias de Le Xenon”! Acampamentos, vela, os desportos mais inverosímeis no Campo do “193”, meios de formação…; o clube estava lançado! Com nome e tradições, o Clube crescia e era já impossível contê-lo nas improvisadas instalações onde nascera.

Chegava a altura de mudar de casa, e um grupo de pais juntou-se para a aventura de comprar um velho “palacete” meio abandonado em pleno Campo Grande; quantos não terão ajudado nos transportes, nos arranjos, nas primeiras instalações… e quanto não se ficou a dever (em todos os sentidos…) a esse pequeno grupo, audacioso, que olhava para longe!…

1969

1971

 

 

 

1970

1969

1970

1971

Rebentar Pelas Costuras…

Com o Verão de 72 vieram as obras – e que obras! – e com elas o novo pavilhão (garantido para 10 anos, mal “ele” sabia quanto teria de durar…), a Capela, a nova sala de estudo.

Havia já Aeromodelismo, as “velhas” Artes Plásticas, a Viola, o Judo (com o mesmo professor de agora!), Fotografia, História Natural (!) e… excursões: montanhas de excursões! Excursões em montanhas, excursões em castelos, excursões acampando, excursões apanhando chuva ou excursões derretendo ao sol.

Novembro trouxe-nos o Fundador do Opus Dei: as tertúlias que tivemos no pavilhão constituem um capítulo fundamental, bem gravado na história do Clube.

1972

1974

 

 

 

1973

1975

1972

1973

1974

1975

O Xénon tornava-se “imparável”: novas idas a Roma – o António Ayres, cicerone de anos esquecidos! -, o Alentejo em plena potência com os acampamentos na Quinta das Águias, nos Olheiros, o arranque das obras no Almançor…

Os níveis do Clube funcionavam quase como agora, e cada sábado era um fervilhar de gente de actividade em actividade, em conversas com preceptores, em estridentes canções – a plenos pulmões – em tertúlias de fim de tarde…

Cotovia, São Martinho, Galamares eram pontos de referência fixos; a velha história da Garra Verde, do piso 01 e tantas outras tradições de longas noites à volta de uma fogueira…

Até que chegou a altura de o Clube “rebentar pelas costuras”: dividiu-se Lisboa, e campeava a confusão em 3 grandes “zonas”: Norte, Estrela e Xénon. Foi a época do Clube Juvenil de “Porto Amélia”, dos animados grupos de terço…

Mas nem por isso o Xénon deixava de ser o Xénon: a sala de estudo à semana, as actividades de pais… E Almodovar, Torreciudad, os Convivios Nómadas com grandes desafios de futebol com o Vega e o Prisma nos campos gelados de Seia…. Eram os encontros de tanta gente nova, tão variada…

O Xénon como motor de uma actividade que já não cabia, nunca coube, entre os seus muros…

1976

1978

1980

 

 

 

1977

1979

1981

1976

1977

1978

1979

1980

1981

Continuidade…

Caldas da Rainha -o Sírius -, o Torre no Restelo, o pequeno Dórik, em Campolide, foram só etapas duma mesma agitação: fora ou dentro de portas, o Xénon continuou a crescer, sendo o mesmo, só com mais experiência.

E vieram os primeiros Troféus Internacionais de Lisboa – o TIL -, como tinham vindo os inigualáveis acampamentos na Quinta de Stº António; continuaram os Programas de Férias, variados como sempre, os arranjos no Clube, as excursões de bicicleta, as visitas aos pobres, as actividades de apoio social…

E as cansativas – mas recheadas de programas invejáveis – viagens por essa Península fora, o contacto com a natureza nos sítios onde parece que ainda ninguém chegou, as alegres tertúlias e as ajudas de todos para que tudo funcione sempre pelo melhor…

Mas embora agora os sítios e as pessoas sejam outros, nas serenas conversas de preceptuação, nos variados passeios ou nos pormenores do dia-a- dia do Clube, nem por isso o ambiente mudou, nem mudaram os verdadeiros fins de tudo o que se faz no Xénon.

1982

1984

1986

1988

1990

 

 

 

1983

1985

1987

1989

1982

1983

1984

1985

1986

1987

1988

1989

1990

Por isso, quando agora chegam de uma excursão os do X1, há pais, como há 10 anos, à espera, inquietos; os que aparecem às primeiras excursões vêm, como sempre, carregados de todo o “equipamento” de qualquer mãe “previdente”; e quando o X2 joga Rugby, o empenho, os gritos, a claque, são ecos que ressoam ainda desde o primeiro “Inter-escolas” de 1969… Parecem todos tirados dos mesmos slides, das mesmas fotografias, que não têm data.

E, felizmente, continua a agitação, quando é altura da agitação, a serenidade no tempo da acalmia: é a continuidade…

1991

1993

1995

1997

1999

 

 

 

1992

1994

1996

1998

1991

1992

1993

1994

1995

1996

1997

1998

1999

… E actividades para todos os gostos

Em tantos anos as actividades foram tão variadas quanto os que por aqui passaram: Astronomia, Ornitologia, Electrónica, “Sklarting” (alguém sabe o que é?)… E se ninguém fez, nem faz, Aeromodelismo só pelo Aeromodelismo, também não deixámos de ser campeões
nacionais alguma vez (e de organizar provas do Campeonato, como o AeroXénon), nem de, com o Teen-Foto, ter deslumbrado os visitantes às exposições, ano após ano; nem de ter trabalhos das Artes ou do Modelismo a decorarem paredes e estantes do Xénon. Para não falar dos serões animados, em casa de cada um, pela esforçada canção aprendida na Viola, nem dos 2-1 ao Benfica na Super-Taça Coca-Cola!…

2000

2002

2004

2006

2008

 

 

 

2001

2003

2005

2007

2009

2000

2001

2002

2003

2004

2005

2006

2007

2008

2009

É o segredo de, num clima de alegria, exigência, amizade e responsabilidade pessoal, conseguir ajudar os rapazes a fazerem bem as coisas – entre correrias, cansaços, “despistes” e muita variedade: a de cada uma perceberem que podem e devem ser úteis: é uma aposta de muitos anos; mas da qual só se viu ainda o começo…

2010

2012

2014

2016

 

 

 

2011

2013

2015

2017

2010

2011

2012

2013

2014

2015

2016

2017

To be continued…

Segue-nos

Fique a par de todas as novidades